Your browser (Internet Explorer 7 or lower) is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this and other websites. Learn how to update your browser.

X

Navigate / search

O AMOR AO PRÓXIMO

Lucas 10. 25 – 28

E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o, e dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês? E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo. E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso, e viverás.

Diz a Palavra que um doutor da Lei se dirigiu a Jesus, com a intenção de tentá-lo, e lhe fez um questionamento de como deveria agir para conseguir a vida eterna. Jesus devolveu a sua pergunta argüindo-o do que dizia as Escrituras a respeito daquele assunto e arrematou com outro questionamento, de qual era a sua opinião respeito.

Leia também: A responsabilidade é pessoal

Ele respondeu dizendo de deveríamos amar a Deus como todo o nosso coração, com toda da nossa alma, com todas as nossas forças e com toda a nossa mente e, ao próximo, como amamos a nós mesmos.

Jesus lhe disse que ele estava absolutamente certo e agindo dessa forma ele viveria, mas o mestre não se dando por vencido questionou a respeito de quem seria o nosso próximo.

Então o Senhor respondeu através de uma parábola, dizendo que um homem estava indo de Jerusalém à Jericó e durante a sua caminhada foi assaltado e os ladrões tiraram a sua roupa, deram-lhe uma surra e o abandonaram prestes a morrer.

Você também pode ler: As consequências da negligência

Considere ler também: Buscai o Senhor enquanto se pode achar

Nesse meio tempo veio passando por ali um sacerdote e quando viu o homem naquela situação, quase morrendo, mudou a trajetória do seu caminho e passou pelo outro lado do local onde se encontrava o ferido. Um pouco mais tarde passou outra pessoa, um levita, que agiu da mesma forma e foi-se embora. Entretanto, outra pessoa de origem samaritana, que estava de viagem, ao ver aquela cena ficou com compaixão daquele cidadão e se aproximou dele, limpou os seus ferimentos com vinho e azeite e cobriu seus machucados. Não satisfeito com essa atitude foi mais além, colocou a pessoa em cima do seu cavalo e o transportou para uma estalagem, onde continuou a cuidar dele. No dia seguinte deu um dinheiro ao dono da pensão para que cuidasse do ferido, disse que voltaria e, caso o dinheiro não fosse suficiente, ele pagaria o restante na sua volta.

Nesse momento Jesus volta a perguntar ao doutor da Lei qual, em sua opinião, seria o próximo do homem assaltado. A resposta foi de que seria aquele que tinha prestado socorro àquele homem, então, o Senhor disse para ele ir embora e agir da mesma forma. “Está gostando deste artigo? Clique aqui e preencha o seu e-mail para receber mais conteúdo como este!”

Essa parábola nos mostra as atitudes de três pessoas, o sacerdote, o levita e o samaritano. Os dois primeiros, apesar de virem que o homem precisava de ajuda procuram passar ao largo para não se envolverem no caso e o terceiro agiu de maneira completamente diferente, se envolveu por inteiro no problema ajudando aquele homem e, com certeza, salvando a sua vida. Esse texto nos fala de amor e do próximo e nos leva à reflexão do que seria amar o próximo. Na grande maioria das vezes, quando falamos de amor somos levados a pensar de pronto no sentimento, porém gostaríamos de enfatizar que o amor ao próximo fala muito mais de comportamento.

Sugerimos que você leia: A luta interior do ser humano

É lógico que o samaritano teve pena daquele homem, teve compaixão de vê-lo naquela situação, quase morto, sem roupa, cheio de ferimentos e prestes a morrer, mas a pergunta que devemos fazer é: “Será que o sacerdote e o levita também não tiveram?” Não podemos responder em virtude de a Bíblia não falar nada a esse respeito, porém não seria nenhum absurdo pensar que sim. O que fez a diferença para a vida daquela pessoa não foi o sentimento e sim o comportamento do samaritano. Ele sentir pena e agir da mesma forma que o sacerdote e o levita de nada teria adiantado para a vida do homem assaltado, o que realmente fez toda a diferença foi a sua atitude de descer do seu cavalo, cuidar dele, levá-lo para a pensão, continuar cuidando e ainda deixar dinheiro e a recomendação para que ele fosse cuidado, isto é, o seu comportamento diante daquele quadro.“Mais de 53.300 pessoas já assistiram nossas Mensagens em Vídeo. Seja mais um!”

Muitas vezes muitos de nós, quando procurados em alguma situação por alguém, ficamos muito penalizados, solidários, oramos, mas a grande mensagem desse texto é que agir assim talvez não seja o suficiente. É lógico que nem sempre é possível ter uma atitude diferente, porém o que precisamos estar atentos é para o fato de que em muitas ocasiões podemos fazer algo mais, ou seja, podemos ter um comportamento diferente e irmos além de simplesmente nos solidarizar, orar ou ficar com pena.

Leia também: O pecado da omissão

O nosso comportamento é fundamental em diversas questões e, em determinadas ocasiões não é necessária muita coisa, o problema é que, como o sacerdote e o levita, não queremos sair do planejamento que criamos e, em determinadas situações se formos realmente ajudar, é o que acabará acontecendo, então por conta disso, deixamos de fazer aquilo que poderíamos. Pense nisso

Por:Marcio Motta

RECEBA AS NOVIDADES DO BLOG EM SEU E-MAIL. É DE GRAÇA !!!

Comments

JORGE
Reply

ESTE E UM SITE MUITO BONITO Q NOS FALA SOBRE O AMOR Q JESUS SENTIA POR TODOS NOS

Paulo Luiz Mendonça.
Reply

Reflexão.

O amor ao próximo é uma sementinha frágil, ela só germina se for plantada e cultivada no seio da família, não há outro ambiente que possa fazê-la sair do seu estado de dormência.

Se a semente do amor ao próximo for cultivada de maneira correta, ela florescerá tão forte e destemida que se espalhará pelo mundo acabando com todas as guerras e desentendimentos da humanidade.

Quando todos se irmanarem com o propósito exclusivo de cultivar o amor ao próximo, não precisaremos mais de nenhum tipo de religião para indicar o caminho a seguir, as mesmas se tornarão obsoletas.

O mapa do caminho que devemos seguir pela vida é planejado e desenhado no lar, na família, qualquer planejamento feito posteriormente, incidirá sempre em grandes erros na rota da vida.

Amar o próximo como a nós mesmos não é difícil, difícil é termos a coragem e a humildade de colocá-los no mesmo patamar onde nós nos encontramos.

Amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a ti mesmo.
Frase interessante, mas a realidade é outra. Os religiosos amam a Deus sobre todas as coisas, mas colocam seus semelhantes abaixo de todos seus interesses.

A paz tão almejada pela humanidade só se dará quando todos nós estivermos preocupados também com a paz dos nossos semelhantes, qualquer outro tipo de planejamento não terá validade alguma.

Paulo Luiz Mendonça

Leave a comment

name

email (not published)

website